2012


Não serei
Presa das ilusões
Passageiras
Eternizando os desencantos
Antes, farei do pranto
Canção de embalar os novos ventos
E anunciar um novo canto
Disperso
Ainda que longínquo
E no entanto, ainda meu.

Não deixarei
A angústia chegar aos olhos
E se derramar
Logrando vitória
Embaçando os sorrisos.
Antes, terei sempre
Um brilho de estrelas
Um conto de luar
Espreitando nalgum canto
Do olhar.

Em nada serei metade
E que seja só por vaidade
De sonhos tortos
Frutos de um tanto
De loucura
Serei inteira.
E antes ainda
Que me alcance
O futuro
E o futuro medo
Prometo a mim mesmo
Chegar cedo
Junto com o primeiro
Raio de sol.

Embarcar todo dia
Nalgum balão
Pintar das cores da poesia
A estrada dura que se erguer
À frente
Sintonizada a alma à mente
E bem plantados
Os pés no chão.


0