A COROA QUE SANGRA


O Livro " Novas Curiosidades", editado pela editora Conquista, RJ, no Quarto Volume, às fls. 76, trás um fato interessante, conforme abaixo transcrevemos:
"ONDE ESTARIAM OS RESTOS DA COROA DE ESPINHOS DE JESUS CRISTO?
A relíquia, de que tanto fala S. Mateus no Evangelho, achar-se-ia na França ou em Roma.
Afirma-se que esse precioso objeto foi entregue em 1239 a Luís IX (São Luís), rei de França, e o presente, ganhou-o das mãos do rei de Jerusalém, João de Birene, e do imperador de Constantinopla, Balduíno.
Nos fins do século XVIII, em 1791, para alguns autores, teria essa coroa, já incompleta, sido entregue à guarda da igreja de Notre Dame de Paris.
Há quem diga que Pio X em 1905 levou a relíquia para o Vaticano.
Fora de dúvida é a afirmativa do apóstolo e evangelista São Mateus, autor do primeiro Evangelho do Novo Testamento, que esteve em companhia de Cristo. Diz ele que depois da tragédia do Gólgota a coroa, ainda com os espinhos intactos, ficou em poder dos algozes.
SÃO LUÍS E A COROA DE ESPINHOS
 Um dos traços da religiosidade do monarca da França, São Luís,  se manifestou  na aquisição da coroa de espinhos e de um fragmento da cruz da crucificação de Jesus Cristo, em 1239-1241, a Balduíno II, imperador de Constantinopla, por 135.000 libras.
 Para estas relíquias mandou edificar a capela gótica de Sainte-Chapelle no coração de Paris, que curiosamente só custou 60.000 libras para construir. Sob este reinado foram também construídas as catedrais de Amiens, Rouen, Beauvais, Auxerre e Saint-Germain-en-Laye.
Ao contrário do que se julga, comumente, a Coroa de Espinhos de Nosso Senhor não tinha a forma de um diadema, mas a de um barrete, com 21 cm de diâmetro, cobrindo-Lhe toda a cabeça.É feita de ramos de longos espinhos trançados.
Depois de colocá-la na adorável fronte de Jesus, os algozes golpearam-na de modo a provocar grandes ferimentos, como pode ser atestado pelas manchas de sangue no Santo Sudário.A Coroa permaneceu na Basílica do Monte Sião, em Jerusalém, até 1053, quando foi levada para Constantinopla.
Em 1238, o Imperador Balduíno II entregou-a – juntamente com a ponta da lança de Longinus – como penhor de empréstimo contraído com bancos de Veneza.
De comum acordo com esse Imperador, São Luís IX, Rei de França, resgatou a referida dívida e recebeuu em seu país as duas preciosas relíquias, com todas as demonstrações de veneração.O próprio rei, a rainha-mãe, inúmeros prelados e príncipes foram encontrá-los perto da cidade de Sens.São Luís e seu irmão, Roberto d’Artois, descalços, as levaram até a Catedral de Santo Estevão, nessa cidade.
 Desejoso de acolher em lugar digno tão inestimáveis relíquias, o Rei santo fez construir em Paris uma verdadeira jóia da arquitetura gótica: a Sainte Chapelle (Capela Santa), uma maravilhosa igreja de vitrais, que extasia todos quantos tem a ventura de conhecê-la.Atualmente, a Coroa de Espinhos está nos Tesouros da Catedral de Notre Dame de Paris.
RELICÁRIO DO ESPINHO
Em Roma encontra-se apenas um desses espinhos.
A veneração do relicário da Santa Coroa de espinhos tem lugar especialmente nas sextas-feiras da Quaresma.