25 de junho de 2013

A HISTÓRIA DO JORNAL E DO JORNALISMO NO MUNDO


Não se sabe ao certo a origem exata do jornalismo e também qual foi o primeiro jornal do mundo, mas de um modo geral, os historiadores atribuem ao lendário Imperador Romano Júlio César esta invenção.Ao que tudo indica, Júlio César, além de um excelente general e comandante também foi um ótimo profissional de marketing: para poder divulgar suas conquistas militares e informar o povo da expansão do Império (fazendo obviamente muita propaganda pessoal), César criou a chamada Acta Diurna, o primeiro jornal de que se tem notícia no mundo.


A Acta Diurna era uma publicação oficial do Império Romano, criada no ano de 59 A.C. durante o governo imperial de César. Ela trazia notícias diariamente para a população de todos os cantos do Império (e de fora dele) falando principalmente de conquistas militares, ciência e de política.
Para poder escrever a Acta Diurna, surgiram os primeiros profissionais de jornalismo do mundo, os chamados Correspondentes Imperiais. Eles foram enviados para todas as regiões e províncias Romanas para acompanhar e escrever as notícias.


Apesar de inaugurar o conceito e o formato geral dos jornais e do jornalismo modernos, a Acta Diurna tinha algumas curiosidades:
Como não existiam tecnologias de impressão no Império Romano e nem mesmo papel em quantidade suficiente (a fabricação de papel, usando a tecnologia da época era muito cara), a Acta Diurna era publicada em grandes placas brancas de papel e madeira (estilo Outdoor). Estas placas eram expostas nas principais praças das grandes cidades para que as pessoas lessem de graça.


As comunicações também eram lentas na Época do Império Romano, como os textos eram transportados a pé ou a cavalo, embora a Acta Diurna fosse publicada todos os dias, sempre publicava notícias atrasadas de dias ou semanas atrás!Como era uma publicação de jornalismo oficial, a Acta Diurna Romana não era imparcial, nunca publicava notícias negativas de derrotas do Exército Romano e nem escândalos envolvendo pessoas públicas e aliados do Imperador.


Gutemberg e a Evolução dos Jornais e do Jornalismo na Idade Média.

Johaness Gutemberg


Durante a Idade Média, pode-se dizer que os jornais e o jornalismo tiveram o seu maior salto tecnológico: a prensa de papel inventada pelo Alemão Johannes Gutenberg possibilitou que o trabalho que antes era feito manualmente pudesse ser feito por máquinas, tornando a publicação de livros de jornais muito mais ampla, rápida e barata.A prensa de papel, construída com base na tecnologia dos tipos (letras) móveis e também da prensa de vinho (que já era conhecida na Europa) permitiu que Gutenberg criasse toda uma nova indústria.


A revolução na época foi tão grande, que alguns autores afirmam que a prensa de papel de Gutemberg tirou o mundo de vez da Idade Média, levando o mundo para a Era da Renascença, com o despertar definitivo da ciência e do jornalismo profissional.A Bíblia de Gutemberg, considerada por muitos a obra prima do inventor Alemão, foi o primeiro livro a ser produzido, lançado e vendido com a tecnologia da prensa mecânica de papel.


Este exemplar da bíblia, que começou a ser produzido em 1450 e foi finalizado em 1455, foi o primeiro livro humano a ser produzido em larga escala (escala industrial).Apesar de terem mais de 550 anos de idade, algumas pessoas, instituições e museus ainda tem cópias originais da Bíblia de Gutemberg!

Exemplares dessa obra podem ser encontrados na Biblioteca do Congresso em Washington, na Universidade Keio em Tokyo e também na casa do empresário Americano Bill Gates, o homem mais rico do mundo nas décadas de 80 e 90 do século XX, comprou um exemplar deste tesouro histórico em um leilão em 1994.


Os Jornais e a Atividade do Jornalismo na Era Industrial


No início do século XVII, a medida que a tecnologia da prensa de papel de Gutemberg ia sendo disseminada e copiada por seus concorrentes, a publicação de livros e jornais se tornou cada vez mais popular.
A própria atividade de jornalismo também passou a ser muito mais profissional com o surgimento dos primeiros cursos de jornalismo nas Universidades da Europa.


Com a profissionalização do jornalismo, começou também a surgir a necessidade de regulamentar a profissão e sua atividade, surgindo nesta época o conceito de Liberdade de Imprensa.A Suécia, no caso, foi o primeiro país do mundo que implementou a Liberdade de Imprensa através de uma lei criada no ano de 1766.Através desta lei, foi garantido que os profissionais de jornalismo e os jornais da Suécia poderiam publicar qualquer tipo de notícia, desde que ela fosse real e que não houvesse difamação.


A atividade de Jornalismo teve outro grande salto tecnológico no ano de 1844, com a invenção do Telégrafo.O Telégrafo, aparelho considerado o pai de toda a comunicação moderna, permitiu que textos que levariam horas ou até diaspara serem transportados, fossem repassados pelos profissionais de jornalismo as redações em questão de minutos.


O telégrafo permitiu então que a imprensa se tornasse muito mais ágil: uma notícia que aconteceu de manhã, poderia agora facilmente ser publicada a tarde em um jornal !!Os Jornais e a Atividade do Jornalismo na Idade Moderna (Era da Informação)Os jornais e o jornalismo chegaram ao século XX no auge do seu prestígio e popularidade.


Para se ter uma idéia do tamanho da indústria dos jornais na época, pesquisas da época afirmavam que 1 em cada 2 Norte Americanos adultos lia jornais uma vez por dia!O período entre 1890 e 1920 é conhecido inclusive como Era De Ouro dos Jornais.A atividade do jornalismo tradicional só começa a decair a partir de 1920 com a chegada de uma poderosa mídia concorrente: o rádio.O rádio atacava os jornais tradicionais de 2 maneiras diferentes: primeiro roubando anunciantes e a preferência do público e também roubando os próprios profissionais de jornalismo que agora passavam também a trabalhar no rádio.



É a primeira vez na história que a mídia impressa passa a ter um concorrente de peso.Os jornais do século XX, por sua vez, reagem e adotam várias medidas para se tornarem mais modernos e populares: adotam pela primeira vez a publicação em larga escala de fotos grandes e coloridas (anteriormente as imagens eram todas em preto e branco), passam a usar em seus artigos uma linguagem mais popular e também criam novas sessões dando mais espaço aos esportes e ao humor.



Estas medidas apesar de tornarem os jornais um pouco mais caros (imprimir em colorido é mais caro) os modernizou e permitiu que o jornalismo tradicional chegasse aos dias de hoje.O século XX, no entanto, ainda reservava outra surpresa desagradável aos jornais impressos: além do rádio, surgia também a televisão como concorrente!


Apesar de resistirem bravamente a invenção do rádio, a televisão veio para demolir de uma vez por todas a hegemonia dos jornais e do jornalismo clássico: a partir de 1950 a TV se tornou o principal canal de mídia do mundo, posição que por sinal ocupa até hoje.A partir de 1980, com o surgimento e popularização dos computadores e da Internet, o jornalismo clássico se reinventa e surge o chamado Web jornalismo.


O Web jornalismo, jornalismo praticado na Internet, tem como principais características a agilidade da linguagem, a velocidade de atualização e também o baixo custo de produção.Apesar de ainda não ameaçar a TV como principal mídia, a Internet é atualmente a mídia que mais cresce no mundo. No ano de 1990 a Internet tinha aproximadamente 1000 sites, esse número hoje é tão grande que os especialistas afirmam estar na casa dos bilhões!
A Internet é definitivamente uma nova grande mídia que surgiu e está oferecendo cada vez mais oportunidades aos profissionais de jornalismo.
Apesar da diminuição da importância dos jornais devido as novas tecnologias, os jornais e a atividade de jornalismo tradicional ainda ocupam um espaço de grande destaque no mundo, sendo a segunda principal mídia atrás apenas da televisão.


A WAN (World Association of Newspapers), a associação que cuida da atividade de jornalismo no mundo, calcula que nos dias de hoje, aproximadamente 900 milhões de pessoas lêem jornais diariamente, principalmente no Japão e na China, onde o costume de ler jornais é mais forte (7 entre os 10 jornais mais lidos do mundo são Orientais).






Facebook